Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
4


a

A

HIS

A


TOURADAS

1

Tourada 

A tourada é um espectáculo tradicional de Portugal, Espanha e França, bem comum de alguns países da América Latina: México, Colômbia, Peru, Venezuela e Guatemala. O essencial do espectáculo consiste na lide de touros bravos através de técnicas conhecidas como arte tauromáquica.

 História

Na cultura da Península Ibérica, o Circo de Termes parece ter sido um local sagrado onde os celtiberos praticavam o sacrifício ritual dos touros. A estela de Clunia é mais antiga representação do confronto de um guerreiro com um touro.

As representações taurinas de variadas fontes arqueológicas encontradas na Península Ibérica tais como os vasos de Líria, as esculturas dos Berrões, a bicha de Balazote ou o touro de Mourão estão quase sempre relacionadas com as noções de força, bravura, poder, fecundidade e vida que simbolizam o sentido ritual e sagrado que o touro ibérico teve na Península.

A palavra tauromaquia é oriunda do grego ταυρομαχßα - tauromachia combate com touros. O registo pictórico mais antigo da realização de espectáculos com touros remete à ilha de Creta Knossos. Esta arte está presente em diferentes vestígios desde a antiguidade clássica, sendo conhecido o afresco da tourada no palácio de Cnossos em Creta.

1 

A maior praça de touros do mundo é a "Plaza de Toros México" localizada na cidade do México e a maior praça europeia é a "Plaza de Toros de las Ventas", em Madrid. Numa tourada, todos os touros têm pelo menos quatro anos de idade. Quando os touros lidados ainda não fizeram os 4 anos diz-se que é uma novilhada.

A lide varia de país para país, em Portugal tem duas fases: a chamada lide a cavalo ou menos corrente a lide a pé e posteriormente a pega. A primeira é levada a cabo por um cavaleiro, lidando o touro. A lide consiste na colocação de ferros, ditos farpas, de tamanhos variáveis, começando com ferros longos e culminando frequentemente com ferros muito curtos, ditos "de palmo".

Em Portugal as touradas foram proibidas no tempo do Marquês de Pombal, após uma corrida de touros realizada em Salvaterra de Magos em que faleceu na arena o Conde dos Arcos, grande figura nobiliárquica estimada pelo monarca D. José I. Voltaram a ser permitidas anos mais tarde, mas sendo proibidos os chamados touros de morte, onde o touro não pode ser morto em praça pública. Em 2002 a lei foi alterada para permitir os touros de morte em locais justificados pela tradição, como na vila de Barrancos e em Monsaraz.

Júlio César durante a exibição do venatio introduziu uma espécie de "tourada", onde cavaleiros da Tessália perseguiam diversos touros dentro de uma arena, até os touros ficarem cansados o suficiente para serem seguros pelos cornos e depois executados. O uso de uma capa, num confronto de capa e espada com um animal, numa arena, está registado pela primeira vez na época do imperador Cláudio

1 

 Corrida de Touros à Portuguesa

Na corrida de touros à portuguesa os cavaleiros vestem-se com trajes do século XVIII e os forcados vestem-se como os rapazes do fim do século XIX. Foi no tempo de Filipe III que foram introduzidos na arena, pela primeira vez, os coches de gala.

Cortesias

As cortesias marcam o início da corrida de touros à portuguesa. No início da corrida todos os intervenientes cavaleiros, forcados, bandarilheiros, novilheiros, campinos e outros intervenientes entram na arena e cumprimentam o público, a direcção da corrida e figuras eminentes presentes na praça. Nas corridas de gala à antiga portuguesa a indumentária é de rigor e na arena desfilam coches puxados por cavalos luxuosamente aparelhados.

1

Lide a cavalo

Todo o decorrer da corrida de touros à portuguesa consiste na "lide" de seis touros, habitualmente. Cada um dos touros é lidado por um cavaleiro tauromáquico, que tem um determinado tempo durante o qual poderá cravar um número variável de farpas compridas no início, curtas e de palmo ainda mais pequenas no dorso do animal.

Lide a pé

Os touros podem alternativamente ser "lidados" por um toureiro a pé embora isto seja menos comum nas touradas portuguesas e sim nas espanholas, que também crava as bandarilhas, um par em simultâneo, no dorso do touro. Outra faceta da lide a pé envolve o uso de uma pequena capa a muleta e de um estoque. Em Portugal é proibida a morte do touro na praça com excepção da vila de Barrancos, mas noutros países a lide a pé culmina na morte, por estocada, do animal.

1 

Pega

Após a lide do touro pelo cavaleiro tauromáquico é comum entrar em cena o bandarilheiro que efectua algumas manobras com um capote posicionando o touro para a pega. De seguida entram em cena os forcados. Os forcados são um grupo amador que enfrenta o touro a pé com o objectivo de conseguir imobilizar o touro unicamente à força de braços. Oito homens entram na arena, sendo o primeiro o forcado da cara, seguindo-se os chamados ajudas, primeiro e segundo ajuda os mais determinantes e demais forcados que também ajudam na pega, terminando no rabejador que segura no rabo do touro, procurando deter o avanço do animal e fixá-lo num determinado local para quando os seus ajudantes o largarem este não invista sobre eles. A pega é consumada quando o forcado da cara se mantenha seguro nos cornos do touro e este seja detido e imobilizado pelos seus companheiros. Nas touradas em que os touros são lidados a pé não existe pega.

Património cultural

A Unesco reconheceu as touradas que têm lugar nas Cidades Taurinas Francesas como parte do património cultural francês. Madrid também declara as touradas como Património Cultural. Em Portugal , a tourada também é considerada património material. Um "património que evoluiu com a cultura". “...O que interessa é defender a tradição de Portugal, a tradição da corrida à portuguesa, o cavalo lusitano, o toiro de lide, a festa e o património material que representa a festa do toiro”.

1

 Críticas

Grupos de defesa dos direitos animais criticam a prática da tourada, pois consideram-na um ato de crueldade sem justificação que não se insere dentro das tradições humanistas.

Em Portugal, quatro autarquias posicionaram-se contra a realização de touradas nos seus concelhos, Viana do Castelo, Braga, Cascais e Sintra

Na Espanha, o Estado onde as touradas são mais tradicionais, existem zonas nas que estão proibidas. Em primeiro lugar foram as Ilhas Canárias, com a aprovação em 1991 da Lei de Proteção de Animais e, duas décadas depois, em julho do 2010, o parlamento de Catalunha aprovou uma Iniciativa Legislativa Popular - com 180 000 adesões - que proibia estas práticas, com a exeção dos Bous al Carrer. 

 1

 No Brasil até o século XX

Porto Alegre teve tanto corridas de touros como touradas em praça de touros situada no Campo da Redenção, que hoje abriga parque de mesmo nome. Com cavaleiros, bandarilheiros, forcados e pega, assim como pantomimas tauromáquicas, eram consideradas eventos sociais, recreativos e artísticos, atraindo humildes e abonados.

A informação disponível não permite saber se o animal era sacrificado na apresentação.

Havia praças de touros em São Paulo, Santos, Cuiabá, Curitiba, Salvador e no Rio de Janeiro, então capital nacional. Nela em 1922, dentre as festividades do centenário da independência, realizaram-se touradas com registro cinematográfico.

Foram proibidas em 1934 por Getúlio Vargas, juntamente com as rinhas de galo.

 Fonte Wikipédia

q

a

a

a

a

a

a

a

a

a

a

A

a

a

A

BannerFans.com